DOS FATOS À FICÇÃO OU VICE-VERSA!

QUANDO SÉRGIO CABRAL ENTREGOU O LEBLON AOS "VÂNDALOS"


Há um ano o bairro do Leblon entrava para a história política do Rio de Janeiro. O governador era Sérgio Cabral. Ele, como tantos espalhados pelo país, teve que lidar com os levantes populares que ainda hoje, um ano depois, permanecem. Não foi tarefa fácil. Mas precisava ser feito. E a solução encontrada, ou apenas implementada, foi a pior possível.

UM MÊS ANTES…

Um mês antes, em 20 de junho, os cariocas foram às ruas com uma pauta de reivindicações o mais ampla possível: não era só por vinte centavos! A Avenida Presidente Vargas ficou pequena! As pessoas expressavam (comoventes) sorrisos em suas esperanças! A mídia oficial brandou 300 mil. Posteriormente, as redes sociais denunciaram 1 milhão; mas há quem aposte em 1 milhão e meio, e eu sou um desses. Dia também marcado pelo maior arrastão e “toque de recolher” já realizado pela PMRJ: Av. Presidente Vargas, Rio Branco, Cinelândia, Glória, Lapa, Catete, Largo do Machado e, quem diria!, Laranjeiras. Nada e nem ninguém ficou impune. O Rio, apesar da resistência de alguns jovens (mascarados ou não), caiu rendido àquela noite!

FORA CABRAL…

“Fora Cabral” foi o grito que saiu das gargantas intoxicadas de gás, e que ecoou pelo mês seguinte… Era a resposta de quem havia presenciado a brutalidade e não se intimidou, e a respondeu com o Ocupa Cabral. Agora era a possibilidade real de impeachment batendo à porta de um lado; e, do outro, o Papa Francisco preparando suas milhas para a Jornada Mundial da Juventude, que aconteceria no Rio de Janeiro. E, não bastando, moradores fizeram um abaixo-assinada pedindo também o “Fora Cabral”, mas por outros motivos:

Tememos que as manifestações, até agora pacíficas, se tornem violentas e, caso haja confronto entre policiais e manifestantes ainda tenhamos que conviver com tiros, bala de borracha e gás lacrimogênio

DOS FATOS À FICÇÃO OU VICE-VERSA

PUTA QUE PARIU…

Puta que pariu, tô fudido: o povo não me quer (pesquisas da época mostravam queda abissal da popularidade do Governador), o Bairro aonde morro não me quer, o PT certamente não vai me querer… Se a vinda do Papa, na JMJ, for um fiasco eu tô fudido -deve ter pensado!

E PENSANDO…

E pensando (com ou sem a ajuda de um comboio de acéfalos)… Os fatos nos confidenciaram a estratégia: que “quebrem e queimem” tudo!

- Quem?

- Ora, como quem? Os “vândalos” da Globo! É perfeito! Ao contrário das outras manifestações que reprimimos violentamente, nesta deixaremos os mascarados livres para a festa. Vou colocar um bode imenso nesse bairro, nessa cidade! Quando ninguém aguentar mais eu apareço e retiro o bode: serei amado novamente! E, de quebra, garanto a tranquilidade para a JMJ.

- Já entendi a parte do bode (rsrs), mas não entendo como será possível retirá-lo depois!

- Não seja tonto! Depois que “quebrarem e queimarem” tudo eu me reúno na manhã seguinte, em caráter emergencial, com as forças de segurança do estado e criamos um plano de contenção aos badernistas!

- Baderneiros!

- Ah, que seja! Já tenho até o nome: CEIV.

- Que significa?

- Comissão Especial de Investigação de Atos de Vandalismo em Manifestações! Diz ae, mandei benzão, né?

- Ô! Mas aí tem um problema: e se a manifestação for pacífica, como de costume?

- Como de costume, infiltramos os badernistas para insuflar a baderna!

- Ah, verdade! Tinha esquecido desse detalhe!

E ASSIM…

E assim foi feito. Há um ano o Leblon e Ipanema “quebraram e queimaram”! Manequins da Toulon, lixeiras, vidros de bancos e lojas sangraram. E os defensores da ordem pública apenas observavam. E observavam atentos ao rádio. E com a multidão já dispersa, hora de mostrar serviço: uns gatos pingados caçados, revistados, detidos e levados à delegacia mais próxima.   No dia seguinte a grande mídia caiu matando em cima dos “vândalos mascarados”. O Leblon, o Rio (e o Brasil) caíram em um dos engôdos políticos mais antigos: o da falsa bandeira!  A CEIV foi criada, apesar do seu teor inconstitucional ter sido duramente criticado nas redes sociais! Mas parecia que o plano ia “de vento e poupa” e que o dia 22/07, quando chegaria o Papa, estaria garantido!

MAS EIS QUE…

Mas eis que no sábado, um dia após criada a CEIV, e com o clima de terror instaurado no estado, uma página de facebook faz uma convocação corajosa: que todos os adeptos da tática Black Bloc estejam no Palácio da Guanabara  para a recepção do Papa… mas essa é outra história!

Texto: Luciano Silva

Fotos/arquivo: Luciano Silva, na época colaborador MidiaNinja

Compartilhar artigo

Luciano Silva

Luciano Silva

Afeito a hecceidade, ora brinca de professar filosofias, ora brinca de fotógrafo ativista, mas sempre é a brincadeira que aponta (sendo apontada) para as realizações do hoje, tal qual ontem, que do amanhã não fugirão!

Loading Facebook Comments ...